segunda-feira, 3 de agosto de 2015

Para entender a Nova ordem - Parte 1 A individualidade e banalidade do mal

Bom, depois de muita insistência de meu filho, vou começar agora uma série de assuntos que envolvem não só política, mas também sociologia e história, para que vocês entendam porque rumamos a uma nova ordem mundial. Como o tema é grande e complexo, precisarei de mais de um post para descrevê-lo e pretendo terminar ainda esse mês. Venho exitando em escrever a cerca desse assunto já algum tempo,mas acho que agora seja mesmo a melhor hora de fazê-lo mediante a experiência que tive bem recentemente com um funcionário de uma empresa (que mexeu muito comigo) e também por conta de todas as outras coisas em todos os outros lugares que frequento.

Mas, para ser sincera, confesso que desejo mais desabafar do que trazer elucidação, se é que alguma vez consegui fazer tal coisa. Depois de tantos anos escrevendo, depois de quase 5.000.000 de acessos (somados os 3 blogs), olho para trás e vejo o quanto mudei e também o quanto eu estava errada em muita coisa.  E com, toda a sinceridade de minha alma, eu espero estar errada novamente.  




Não quero me prolongar muito, portanto, segue um assunto do qual poucos ouviram falar - O julgamento de Adolf Eichmann. Eichmann era um homem, que como muitos de nós, desejava ascender no trabalho e para isso obedecia ordens. "Nada mais que isso..."


'QUE SORTE PARA OS DIDATORES QUE OS HOMENS NÃO PENSAM"
Adolf Hitler 


Em 11 de abril de 1961 iniciou-se em Jerusalém o julgamento de Adolf Eichmann, homem responsável pela deportação de centenas de milhares de judeus para campos de concentração.

"O prédio do tribunal em Jerusalém parecia uma fortaleza. Centenas de policiais controlavam as saídas. Especialmente para os 500 jornalistas que faziam a cobertura do julgamento, foi montada uma sala com telégrafos e telefones. Protegido por vidros blindados, o réu insistiu o tempo todo em sua inocência." Dentre todos os jornalistas, se encontrava Hannah Arendt.


O julgamento de Adolf Eichmann, chefe da seção de assuntos judeus no departamento de segurança de Hitler, foi o segundo maior julgamento de nazistas depois do processo de Nurembergue, que aconteceu logo após a segunda guerra mundial. A condenação de Eichmann foi baseada no depoimento de mais de 100 testemunhas, em duas mil provas e 3.500 páginas do protocolo de polícia israelense.


"O MUNDO ESPERAVA VER UM MONSTRO, UM ANTISSEMITA BRUTAL, UM NAZISTA FANÁTICO"

O réu, por sua vez, passou a imagem de um burocrata que teria apenas assinado documentos. Os peritos lhe atestaram a condição de subalterno de pouca iniciativa própria  e sem senso de responsabilidade. Após o julgamento, que foi transmitido pela televisão, intelectuais chegaram a se confessar chocados com o fato de Eichmann não ter sido um seguidor fanático de Hitler.

"ELE INSISTE QUE APENAS CUMPRIU ORDENS E JAMAIS PREOCUPOU-SE EM QUESTIONÁ-LAS"

Apenas um exemplo: em março de 1944, Eichmann foi mandado à Hungria, onde organizou a deportação de 800 mil judeus. Em menos de dois meses, 147 trens levaram 434 mil pessoas para as câmaras de gás de Auschwitz.
Em destaque se encontra Aleksander Heryk Laks, o único sobrevivente dessa foto que veio a falecer este ano e o qual eu e meu filho tivemos o imenso prazer de conhecer e ouvir a sua história pessoalmente


Da mesma forma como colaborou com o regime nazista, ele cooperou com a polícia e a justiça de Israel, mas nunca demonstrou qualquer forma de arrependimento.

A partir de sua escrivaninha, havia coordenado a perseguição, o sequestro e a deportação de milhares de judeus, marcados para morrer nos campos de concentração.

Eichmann conhecia o destino dos prisioneiros.
 Assistiu às execuções em massa a tiros e nas câmaras de gás, chegando a considerá-las "desumanas", não para as vítimas, e sim para os carrascos.

 Eichmann foi preso por soldados norte-americanos em 1945 e não revelou sua identidade. Um ano depois, conseguiu fugir com outros presos e começou a trabalhar no norte da Alemanha como lenhador, sob nome falso.

Em 1950, fez contato com a Odessa, uma organização secreta de ex-oficiais da SS, que o ajudou a fugir. Na Itália, teve o apoio de um padre franciscano que conhecia sua identidade e lhe providenciou documentos falsos.

Sequestro e transporte para Israel

Com o nome de Ricardo Klement, ele emigrou para a Argentina e mais tarde também transferiu para lá mulher e filhos. O serviço secreto israelense Mossad o descobriu e o sequestrou em 1960. Depois de passar 11 dias amarrado a uma cama, foi obrigado a assinar um documento em que aceitou seu julgamento num tribunal israelense.

O Mossad teve sorte, pois talvez não tivesse conseguido retirar o prisioneiro clandestinamente da Argentina, caso a esposa de Eichmann tivesse registrado queixa na polícia em Buenos Aires. Para isso, ela teria que revelar a verdadeira identidade da família. O que, por outro lado, poderia ter poupado a vida de Eichmann, se fosse julgado por seus crimes nazistas na Alemanha, onde não existe pena de morte.

Enquanto aguardava o julgamento, Eichmann escreveu suas memórias, nas quais insiste em sua condição de mero cumpridor de ordens superiores durante a Segunda Guerra Mundial. O julgamento de Eichmann durou um ano e terminou com sua condenação à morte. A execução aconteceu pouco antes da meia-noite de 31 de maio de 1962.

http://www.dw.com/pt/1961-julgamento-de-adolf-eichmann/a-785685.

Discurso de Hannah Arendt a cerca do caso Eichmann
.


Difícil para mim ver a que ponto chegamos.

Se em uma era axial, a regra de ouro era "não fazer aos outros o que queremos que nos façam" , fica claro que essa regra não rege a nossa sociedade.




A sociedade é o reflexo do homem. Se ela está o caos que está, e rumo a tirania de uma NOM, olhe para o esperlho.

Trecho do filme V de vingança.





"Em um mundo cheio de Eichmanns, Gandhis são assassinados"

O mundo precisa de Gandhis.

E precisa AGORA.

Salu.

2 comentários: